Não só em Portugal, mas também no resto da Europa, os acidentes de viação têm aumentado nos últimos anos face a problemas de segurança rodoviária.

Após o primeiro grande salto na UE no que diz respeito à prevenção rodoviária, a implementação obrigatória do cinto de segurança, no passado mês de Março a Comissão Europeia propôs uma lei que obriga os carros completamente novos, lançados a partir de 2022, a serem equipados com uma espécie de caixa negra, semelhante à dos aviões. Estes carros irão conter novos equipamentos de segurança avançada. Consequentemente, estas novas diretrizes, serão também obrigatórias nos veículos que recebam atualizações de gama (facelifts).

Resumidamente, eis os novos sistemas de Segurança obrigatórios:

Gravador de Dados de Eventos (EDR) consiste numa caixa negra semelhante à de um avião. Regista o que aconteceu com a viatura em caso de acidente.

Intelligent Speed Assistence (ISA) pois o condutor não conseguirá ultrapassar os limites de velocidade nas estradas, devido ao cruzamento da informação de dados de GPS com a velocidade atual da viatura;

Sistema de Câmaras de Monitorização Interna, para avaliar o estado do condutor. Caso este esteja sob efeitos de distração (telemóvel, sonolência, etc.), então o carro alerta ou até mesmo para e bloqueia a viatura de forma automática;

Travagem de Emergência Automática (AEBS), consiste num sensor que mede de forma continua a distância de segurança entre a viatura e os restantes veículos, peões e ciclistas. Faz uma travagem de emergência caso o condutor não reaja em tempo útil e também um sistema de Paragem Automática de Emergência, o veículo reconhece o sinal vermelho.

Outros sistemas a serem implementados serão câmaras e assistência de marcha atrás; Lane-Keeping Assistance (sistema que garante que o carro não sai da faixa de rodagem); cintos de segurança e vidros de segurança otimizados; barra de proteção de impacto lateral; melhoria da visão dos motoristas de autocarro e camiões; sistemas de aviso na frente e lateral do veículo e o sistema de monitorização da pressão dos pneus.

De acordo com a comissão europeia, estas novas medidas deverão ajudar a salvar mais de 25 000 vidas até 2038 e estão ainda sujeitas a aprovação por parte do Parlamento Europeu e dos Estados Membros em meados de Setembro deste ano.