O Facebook lançou recentemente a sua visão de futuro para os próximos 10 anos. Essa Interface é alimentada com base na inteligência artificial para óculos de realidade aumentada. Desse modo podem ser utilizadas as informações que quiser partilhar de forma a inferir o que pretenderá fazer.

Assim, partilharmos aqui a primeira forma de isso acontecer, através de pulseiras que captam os dados neurais, e, que segundo o facebook reality labs, a tecnologia ficará disponível até ao final do ano.

Human-Computer Interaction no Pulso

https://www.facebook.com/watch/?v=1146186389155473

O centro de investigação do Facebook Reality Labs (FRL), está a construir uma interface para realidade aumentada que não forçará a escolha entre interagir com os dispositivos e o mundo à nossa volta. Estão a ser desenvolvidas algumas formas naturais e intuitivas de interagir com os óculos de realidade aumentada sempre disponíveis pois os investigadores acreditam que isso transformará a maneira como nos iremos conectar com pessoas de uma forma próxima ou distante.

“Imagine ser capaz de se teletransportar para qualquer lugar do mundo para partilhar experiências com as pessoas mais importantes da sua vida – não importa onde elas estejam. Essa é a promessa dos óculos de realidade aumentada. É uma fusão do mundo real e do mundo virtual de uma forma que melhora fundamentalmente a vida diária para melhor.” diz Andrew Bosworth, que lidera a FRL.

Em vez de arrastar nossa atenção para a palma da nossa mão como os nossos telemóveis, os óculos de realidade aumentada irão ver o mundo exatamente como o vemos, colocando as pessoas no centro da experiência de computação pela primeira vez e trazendo o mundo digital para o utilizador em 3D para o ajudar a comunicar, navegar, aprender, partilhar e agir no mundo.

O futuro da Interação Computador-Humano

Esse futuro exigirá uma interface:

  • Excepcionalmente fácil de usar,
  • Confiável
  • Privada
  • Que nos permita estar completamente presentes no mundo real o tempo todo.
  • Essa interface exigirá muitas inovações para se tornar a principal forma de interagir com o mundo digital.

Dois dos elementos mais críticos são a inteligência artificial com o reconhecimento do contexto, que entende os comandos e ações do utilizador, bem como o contexto e o ambiente à sua volta, bem como a tecnologia que irá permitir que o utilizador se comunique com o sistema sem esforço – uma abordagem que os investigadores chamam de entrada de ultra-baixo atrito.

A Inteligência Artificial vai fazer inferências profundas sobre quais serão as informações que o utilizador poderá precisar ou coisas que o utilizador pode querer fazer em vários contextos, com base numa compreensão do utilizador irá apresentar-lhe um conjunto personalizado de escolhas.

A entrada facilitará a seleção de uma escolha – usá-la será tão fácil quanto clicar num botão virtual sempre disponível com um leve movimento do dedo.

Porquê o pulso?

Para estes investigadores existem muitas outras fontes de entrada disponíveis, todas elas úteis.

A voz é intuitiva, mas não privada o suficiente para a esfera pública ou confiável o suficiente devido ao barulho de fundo.

Um dispositivo separado que o consumidor pode armazenar no bolso, como um telefone ou comando de uma consola, adiciona uma camada de atrito entre o utilizador e o ambiente.

À medida que os investigadores exploravam as possibilidades, colocar um dispositivo de entrada no pulso tornou-se uma resposta clara: O pulso é um lugar tradicional para usar um relógio, o que significa que ele pode encaixar-se razoavelmente na vida cotidiana e em contextos sociais. 

  • É um local confortável para uso o dia todo.
  • Está localizado próximo aos principais instrumentos que um utilizador usa para interagir com o mundo – as mãos.

Essa proximidade permite trazer recursos de controlo através das mãos do utilizador para a realidade aumentada, permitindo uma interação intuitiva, poderosa e satisfatória.

Os investigadores referem que um wearable baseado no pulso tem o benefício adicional de servir facilmente como uma plataforma para computação, bateria e antenas, ao mesmo tempo que oferece suporte a uma ampla gama de sensores.

A peça que faltava era encontrar um caminho claro para uma entrada rica e uma solução potencialmente ideal era o EMG – eletromiografia.

https://www.facebook.com/watch/?v=1126949421469231

EMG – Eletromiografia

Esta tecnologia usa sensores para traduzir os sinais nervosos do motor elétrico que viajam pelo pulso até a mão em comandos digitais que um determinado utilizador pode usar para controlar as funções de um dispositivo. Esses sinais permitem que um utilizador comunique comandos nítidos de um bit ao seu dispositivo. Os sinais através do pulso são tão claros que a EMG pode compreender o movimento dos dedos apenas num milímetro. Isso significa que a entrada de informação pode ser fácil. Por último, pode até ser possível sentir apenas a intenção de mover um dedo.

Controle dinâmico no pulso

Inicialmente, o EMG fornecerá apenas um ou dois bits de controle que se chamarão de “clique”, o equivalente a tocar num botão. Esses são gestos baseados em movimentos, como beliscar e soltar o polegar e o indicador, que são fáceis de executar, independentemente de onde o utilizador esteja ou do que esse estiver a fazer, enquanto caminha, fala ou se senta com as mãos ao lado do corpo, em frente a alguém, ou nos seus bolsos. Clicar com os dedos sempre irá funcionar, sem a necessidade de uma palavra de alerta, tornando-se a primeira interação onipresente de ultra-baixa fricção para RA.

https://www.facebook.com/watch/?v=483171806026501

Mas esse é apenas o primeiro passo. A EMG eventualmente progredirá para controlos mais ricos. Na Realidade Aumentada, um utilizador irá ser capaz de tocar e mover user interfaces virtuais e objetos, como poderá ver no vídeo de demonstração. Um utilizador também poderá controlar objetos virtuais à distância. É como ter um super poder como a Força.

É muito provável que, no futuro, um utilizador consiga digitar a alta velocidade com a EMG numa mesa ou em qualquer outra superfície – talvez até numa velocidade mais alta do que é possível com um teclado nos dias de hoje. A pesquisa inicial é promissora. Na verdade, desde que foi incluída na FRL em 2019, a equipa fez progressos importantes nos modelos personalizados, reduzindo o tempo que leva para treinar modelos de teclado personalizados que se adaptam à velocidade e à técnica de digitação de um indivíduo.

Conclusão

“Este é um momento incrível, para preparar o terreno para a inovação e descoberta pois é uma mudança para o velho mundo”, diz Keller. “É uma mudança nas regras que seguimos e nas quais confiamos para impulsionar a computação. E é uma das oportunidades mais ricas que posso imaginar fazer parte agora.”

Fonte: Facebook Reality Labs